Mensagem aos visitantes...

Olá... eu estou cuidando de muitos blog's ao mesmo tempo, o que está me deixando meio maluca... então eu resolvi postar tudo que eu gosto, faço, indico em apenas um... então, por favor sintam-se convidados a fazer uma visitinha ao: www.artequel.blogspot.com Abraços e espero vocês lá!

sexta-feira, 29 de maio de 2009

O vendedor de Sonhos - O chamado

" Um Homem maltrapilho e desconhecido tenta impedir que um intelectual se suicide. um desafio que nem a polícia nem um famoso psiquiatra tinham sido capazes de resolver. Depois de abalá-lo e resgatá-lo, esse homem, de quem niguém sabe a origem, o nome ou a história, sai proclamando aos quatro ventos que as sociedades modernas se converteram em um hospício global. Com um eloquência cativante, começa a chamar seguidores para vender sonhos em uma sociedade que deixou de sonhar. Nada tão belo e tão estranho... Ao mesmo tempo em que arrebata as pessoas e as liberta do cárcere da rotina, arruma muitos inimigos. Será ele um sábio ou mais um louco dos seres? Um romance que nos fará chorar, rir e pensar muito".

Está a sinopse do livro...mais um do Augusto cury... mas não relata nem metade das reações e sentimentos que ele desperta!
Leiam, leiam, leiam...
Tá todo mundo lendo!!! rsrsrsr

sábado, 9 de maio de 2009

A Cabana

Esse livro é Divino, no sentido literal da palavra "Divino"

Você chora, ri... fica feliz, reflexiva, pensativa... com um desejo imnso de mudar de vida...

Já fiz até uma pesquisa pra saber se o autor tem outros livros.. mas não encontrei nenhum... infelizmente!

Fazia muito tempo que eu não chorava com a leitura de um livro... ao mesmo tempo que eu tinha desejo de saber o final da história, evitava de lê-lo para que demorasse mais a acabar!
Espero que tenha inspirado alguém a lê-lo também!




"Criação"... mais uma sugestão!

Recebi a indiação desde livro e consegui na net o resumo dela... pra dar um gostinho aos futuros leitores...

Criação (Gore Vidal - Traduzido por Newton Goldman)
Ciro Espítama, neto de Zoroastro, aos setenta e cinco anos de idade, já cego, ouve a conferência de Heródoto de Halicarnasso , o Pai da História, no Odeon em Atenas sobre as guerras gregas; revoltado e totalmente contrário à narração feita por Heródoto é incentivado por seu sobrinho Demócrito, então com dezoito anos, a escrever a sua versão da história das Guerras Gregas. Ciro, personagem principal, narra sua trajetória desde a infância vivida na corte de Dario, Rei da Pérsia, onde foi educado ao lado de Xerxes, sucessor de Dário, de acordo com a disciplina militar da corte persa. Lá vê e vive toda a artimanha do poder, as conspirações, os bastidores da corte, as jogadas políticas, a falsidade dos relacionamentos, as alianças, etc., o dia-a-dia de um corte onde cada um joga a seu próprio favor. Como neto de Zoroastro sua sina natural seria o sacerdócio, mas ele queria ser guerreiro; pouco antes da sua consagração, conhecendo suas aspirações, Dario nomeia-o embaixador do Grande Rei para explorar e conhecer a Índia. Liderando uma caravana e com uma carta do Rei da Pérsia outorgando-lhe poder para advogar em nome do soberano, segue para explorar o desconhecido para a época. Em sua estadia na Índia, entre todas as realizações, Ciro se casa, tem duas filhas e conhece Buda. Em seus diálogos conhece os princípios do budismo e compara com o Zoroastrismo; conta intimidades sobre Buda, construindo um panorama perfeito para que o leitor possa reconstruir mentalmente a época e imaginar o cotidiano das pessoas que viveram no século V antes da era cristã. Retorna com o desejo de incentivar o Grande Rei a ?sonhar com vacas?, ou seja, a querer expandir seu reino além do Mediterrâneo, mas os olhos e o coração do rei estavam voltados para outra direção. Apesar de tudo Ciro retorna à corte que já o havia dado como morto e é nomeado Amigo do Rei, cargo que dá enorme prestigio e o faz conhecido por todo o reino. Quando Xerxes sucedeu Dario e tornou-se o rei da Pérsia, mandou Ciro novamente em missão persa, só que agora para Catai região ocidental do império, onde hoje conhecemos como China. Mais uma vez lá vai o homem que nasceu para ser sacerdote que queria ser guerreiro, mas tornou-se embaixador dos reis Dario e Xerxes. Em Catai conhece Confúcio e toda a doutrina da religião chinesa. Este fato auxilia o leitor a fazer comparações entre os princípios de cada uma das correntes religiosas, a visão de cada uma delas sobre de onde viemos e para onde vamos; chegando a citar a afirmação de Pitágoras que se dizia reencarnação de um deus. Nesta trajetória histórica, Gore Vidal nos coloca frente a frente com as contradições entre a justiça e a liberdade, suas faces em cada país, em cada cidade, em cada comunidade. A reconstrução histórica pormenorizada nos leva a refletir sobre a eterna busca do homem de uma explicação para a sua existência, o começo dessa longa estrada chamada vida até o além de seu final. Mantendo viva a pergunta com tantas propostas, mas sem uma única resposta que satisfaça, a não ser a dúvida que persiste: o que há depois da vida? Deus, big bang, o acaso, a mutação, a metamorfose, de onde viemos e para onde vamos? Isso fica a cargo do leitor.

Olha que recepção...